5 de fevereiro de 2011

MUDANÇA DE PERSPECTIVA...

Entre resoluções e decisões eu sempre me questiono se estou indo para o caminho certo. Estou em constante questionamento. E estou sempre disposta a mudar. Poucas coisas, muitas coisas, mudar um pouco, mudar muito, mudar tudo. Mesmo sendo uma taurina com muitas amarras em terra firme, depois de ruminar minhas coisas sempre consigo pensar que é possível mudar alguma coisa: para melhor. E claro que meu perfeccionismo absurdo não me deixa em paz, eu SEMPRE acho que posso melhorar alguma coisa.
Estou super feliz com a minha alteração de rotina e por ter apertado o botão PAUSE, ou melhor SLOW MOTION da minha vida, e atualmente tenho feito o que pode ser feito, e não tenho me desdobrado em mil para conseguir fazer tudo. Simplesmente aceitei viver a partir deste ano com menos velocidade e com mais qualidade. E tá dando certo. Era uma resolução de ano novo, mas não ficou só no papel. Estou tentando aplicar T O D O S os dias aqui na minha vidinha de meu deus. Recomendo. Só não tem receita... porque se tivesse teria feito isso muito antes.
Mas ainda sinto que tenho mais algumas coisas para mudar. E para repensar. E aquele assunto segundo filho é um deles. Ano passado eu simplesmente sabia que não iria "fazer" outro filho. Mais para o final do ano eu tinha "certeza" que não ia querer outro filho jamé. Mas como minhas certezas não duram muito tempo, algumas coisas aconteceram, e aí como na maioria das vezes me acontece, tive um insight! Percebi que minha total "AVERSÃO " ao assunto segundo filho era decorrente de uma dor gigante vivida no aborto que eu tive em dezembro de 2009. Na verdade eu acho que esta situação do aborto que eu já contei aqui, me deixou com um "trauminha". Sabe uma coisa que vc sempre quis fazer e tal, mas aí a vida te prega uma peça e derepente vc consegue se convencer de que não quer mais aquilo de jeito nenhum? Acho que foi isso que me aconteceu. Mas acho que quando resolvi escutar a vozinha dentro de mim, eu só ouvi um eco mais ou menos assim:
vc não superou o que te aconteceu, e por isso não está pronta para partir pra outra.
Bingo!
é isso gente. Por isso que eu não quis "comprar" o irmão do David, pra quem leu o post sabe do que eu tô falando. E por isso eu grito aos 4 ventos do mundo o quanto estou inapta para exercer a maternidade novamente com outro baby. O que é absolutamente verdade.
Então esta semana me aconteceu algo diferente. Fui visitar uma amiga que acabou de ter bebê. A bebê dela é segunda filha. O primogênito dela é mais velho que o David, coisa de 1 ano e pouco... E aí quando fui pegar a baby no colo vi que meu jeito atual para um micro baby é aproximadamente "zero". rs Fiquei com vergonha de mim mesma, tipo, gente parece que a pessoa nem tem filho! Mas a gente esquece.... juro! Eu peguei, nem sabia por onde começar, aquela coisinha tão pequenina, e aí ela ficou super desconfortável no meu colo e eu imediatamente passei para a mãe dela....rs Depois minha amiga ficou me falando o quanto era legal ter o segundo filho, o quanto era mais "fácil" o quanto eu deveria esquecer o passado e "move on" e aí aquilo tudo me fez pensar e repensar na minha decisão de "não ter" outro filho.
Confesso que comecei a flertar novamente com a possibilidade de futuramente dar um irmãozinho para o David. Não sei em qual momento exatamente, mas começo a flertar com a feliz possibilidade de ter mais um bebê na família no futuro. Porque acho que só agora, depois de 1 ano e 2 meses pós aborto, eu superei o que aconteceu. E acho que atravessei a ponte. E deixei pra trás aquele sofrimento retido, contido, pesado, revoltante. Agora consegui realmente olhar para tudo isso e não sofrer mais. Claro que jamais vou esquecer, como todo mundo que já passou por isso sabe. Mas isso não me faz mais sofrer. Não dói mais. Cicatrizou. Tirei isso da minha mochila da vida (sabe aquela que a gente carrega todos os dias da nossa vida?). O peso ficou lá atrás, lá no ano passado... junto com todas as minhas nóias, junto com toda a aversão ao assunto.
Só agora posso dizer que tudo isso ficou para trás de verdade.
E me sinto leve de novo. Pronta para decidir baseado no meu coração e no do amor da minha vida, e não mais em nossos sofrimentos juntos e misturados em relação ao passado. Tenho certeza que decidindo ter ou não nosso segundo filho, o irmãozinho do David, esta decisão será de coração e verdadeira. E validada. Não será para evitar que a gente não viva de novo algo tão ruim quanto o que foi aquele aborto. Será o que tiver que ser. Felizes com nosso filhote único ou felizes com dois filhotes.
E aí eu deixo vcs com a música que me vem a cabeça agora:
-"como será o amanhã?
responda quem puder...
o que irá me acontecer?
o meu destino será como Deus quiser,
como será?"....

18 comentários:

Dri disse...

Amiga querida,
Que bom :) nada como o tempo, ele é poderoso, é curativo, é tranqüilizador e é nosso maior professor com ele aprendemos muito.
E que abençoado esse ano pra você, que ele continue assim cheio de resoluções, conquistas e com muito amor sempre!
Um beijo

Tathyana disse...

Amiga, ainda bem que as suas certezas absolutas são completamente passageiras rssss. EU spu assim tmb. Digo muito NUNCA MAIS e daqui a pouco estou lá de novo. Sobre o aborto e o segundo filho eu só posso te dizer que é doído sim e a gente nunca esquece. É claro que não fico pensando o tempo todo no filho que perdi, no filho que não tive, mas ve ou outra ele "aparece". E posso te dizer que só curei o meu trauma do aborto com o nascimento do Rafael. O significado do nome do meu filho é 'aquele que cura'. E ele me curou e acalmou meu coraçaõ. Eu tenho um post antigo sobre 10 motivos para ter o segundo filho. Depois vc procura nos meus arquivos, leia e reflita.

Bjsssssssssssssss

Fe Piovezani disse...

Fezinha, sabe que me emocionei com seu post, mulher??? Que legal !!!! Dá pra sentir sua verdade!
Ontem mesmo me perguntaram se eu quero um segundo filho, e eu, do fundo do coração, disse que planejamento, não tenho, mas, também não me esforço muito pra não tê-lo. Estou num esculaxo só com meu anticoncepcional!!
E, como você, quando pego um bebezinho no colo, também sinto um certo desconforto, mas sabe de uma coisa? Deve ser igual aandar de bicicleta, de roller...leva 2 minutos pra pegar o jeito de novo!!
Um super beijo, um super final de semana pra você!!!

Flavia Ferrari disse...

É isso ai Fezinha, um ciclo que vai se fechando, ferida que cicatriza. Revolta, negação, aceitação... (esqueci os outros 2)!
Minha Gabi veio depois de 5,5 anos depois da Juju, por razōes conhecidas, e foi tudo de bom!!
Pra quem vê de fora fica tão mais claro do que qdo é a gente no meio do turbilhão de emoçōes....
O melhor da vida é poder mudar de idéia pra ser FELIZ!
Take your time.
Bj,
Flá

Luciana disse...

Ei minha amiga! Tô aqui vibrando com esse seu post. Adorei, como sempre! Super energia positiva emanando... Fico muito feliz que a resolução de slowing down ainda perdura e tem previsão pra ficar. Pois estamos em total sintonia, pois felizmente tambem tenho conseguido manter nossa rotina gostosa e não trabalhar além da conta. Assim a vida flui mais, a gente curte mais as pequenas coisas e faz tudo ficar mais especial do que já é.

Sobre a decisão do segundo filho, parabéns pela cicatrização das suas histórias. Que lindo ouvir isso e saber que foi natural... agora, com o coração mais tranquilo, tudo o mais vai fluir, minha querida. Torço por vc!

Muitos beijos,

Lu

PS: Passei pela MESMISSIMA situação de total falta de jeito pra segurar o recem nascido de uma amiga no Brasil. Fiquei com cara no chão, mas... a gente esquece mesmo! :)

Bianca disse...

Oi querida!
Olha, já me esqueci de como se pega um bebê no colo faz tempo, rs. Perdi a mão, sabe? Sabe, é muito bacana vc rever essa história do aborto, e se vc queria ter outro filho, vá em frente. Nada pior que deixar de fazer coisas por traumas, medos e inseguranças. è fácil falar quem está de fora, eu sei, mas nunm caso deste, um novo bebê pode cicatrizar essa dor tão profunda.
Beijos gigantes

Ilana disse...

Fe,
que lindo seu texto, que linda essa posição frente à vida, podendo mudar de opinião e podendo entender o que te leva à uma ou outra certeza.
(senti falta do link sobre sua história de aborto... coloca?)
O mais importante de tudo é que qualquer decisão seja sempre feita com o coração, e que possa sempre ser revista.
Beijos

Renatinha disse...

Feee, eh tao bom poder dizer, conscientemente q deixamos nossos monstros morrerem!! Fixco feliz por vc! Pois tenho certeza q nao foi facil essa jornada e que seja o que Deus quiser. Seu futuro esta comecando agora!!
bjkas

Anette disse...

Fe- A-Me_i!!! E dou o maior apoio! Segundo filho eh muito mais facil e tranquilo que o primeiro... Voce vai se surpreender como o David eh grande e pode te ajudar!!!So que- so pule na piscina qdo estiver preparada pra se molhar, ai eh uma delicia...

Dani disse...

Fê, vc nem sabe o quanto fiquei feliz com esse post! Com essa mudança de perspectiva! Queria te abraçar e dizer: que bom Fê! Que bom!
Super beijo!
Dani

Dani Etoile disse...

Fê, dou o maiorrrrrrrrrrr apoio!!! rsrsrsrsrs
Beijos,
Dani

Carol Garcia disse...

Puta post bacana, Fefê!
Adorei!
Primeiro porque esse seu jeito "mudar, mudar, mudar" é positivo pacas. Acho que só faz bem.
Deois pq cruzar a ponte e reconhecer todos os pontos da caminhada é maduro, é forte, é firme.
e outra, segundinho - quando e se vier - vai ser um presente pra vc, pro maridex e pro pequeno davi.
bjocas

Mãe Mochileira,filho malinha.. disse...

Feee! q saudade,mulé! rsrs...olha,eu me senti da msm forma ao segurar o baby de uma amiga..pensei: credo,como eu fazia???kkkkkkkkkk..sei la, acho q e assim mesmo..e o segundinho..bem,ano passado um alarme falso me deixou super afim..e hj vejo q ainda bem q foi falso..amiga,uma coisa é certa: Deus sabe a hora de tudo na nossa vida..
beijos enormes, fica com Deus,otima semana!!
;-)

Mi Satake disse...

Oi Fe!
Saudade...

olha td o q descreveu faz parte, eu acho.
Éum caminho cheio de duvidas o noosso,né?
E tenho comigo q qdo parimos nossa cria, a natureza se encaminha de todo o resto e damos conta do recado e que recado ´rsrs!

No mais acho q ta certa. e tudo tem seu tempo certinho pra acontecer, né msm?
Conforme a ideia for amadurecendo e o tempo passando tudo vai se ajeitando. com certeza.
Ah e passa pra me ver né? Dar um oizinho.
Coffe, já nem falo mais. rola?

Suuper bjosss

Mi Satake disse...

Ah Fe, passando pra dizer q to montando meu orquidário em casa. Pra cultivar melhor minhas plantitas né!

To no projeto ainda, qdo td tiver pronto fotografo pra vcs verem.

bjs

Ana disse...

Que bom que se livrou da dor amiga :)
Agora livre, leve, deixa solto.
E boas novas para você!
Beijos!

Coisas de mãe disse...

Oi Fe, mais um texto super lindo e bem resolvido! Muito legal, imagino perfeitamente esta sensação que você teve na hora de pegar um nene (de novo) no colo. É engraçado porque quando ´´nosso, este "medinho"desaparece ne? Eu tambem pensei muito antes de ter a Luiza. NA verdade, foram quase 5 anos. E nao me arrependo, mas, justamente porque esperei dar este "clic"que você esta (Estava?) esperando.

Mudando de assunto: AMEI MIL VEZES AMEI a saruel!!! Ficou o maximo nela. Alias eu e o Nuno descobrimos que a Luiza não tem bunda! Se ela quiser ser "sexy"vai ter que usar fralda mais tempo. rsrsrsrsrsrsr


Acho que, se tiver uma maior, ja vou encomendar pra quando ela crescer. Alias, tem pra adulto?

beijos


Pati

Vanessa Ribeiro disse...

Fê, eu não conheço a história do aborto porque comecei a ler o teu blog depois, mas vou procurar. Acho que vc não linkou aqui.

Eu estou super pronto para o segundo filho, principalmente porque acho que curtimos diferente. Ontem fomos jantar com uma amiga querida que está grávida de três meses e quando toquei na barriga dela me emocionou um montão e senti uma saudade imensa daquele barrigao, dos posts de gravidez, até do hospital vc acredita?

Quando eu estiver em SP conversaremos mais sobre isso, pode deixar.

Falta pouquinho viu? Começamos a organizar o encontrinho?

Van